Roteiro de viagem para a Colômbia

Se preparando para mochilar, ou passar alguns dias pela Colômbia? Passamos 25 dias por lá, e descrevemos aqui como foi nosso roteiro de viagem para a Colômbia.

Roteiro de viagem para a Colômbia

Viajamos 25 dias pela Colômbia, nos encantamos com todo o país, desde o Caribe até a serra colombiana

Foram 25 dias de viagem  pela Colômbia. Corremos muito, e conseguimos conhecer boa parte do país em nossa viagem para a Colômbia. para poder explorar ao máximo e com calma, o país.

Parque Tayrona

Parque Nacional Natural Tayrona em Santa Marta

Comprando as passagens aéreas

Compramos uma passagem multi-trechos. Compramos pela Decolar e pagamos R$ 1.745 cada pelos seguintes trechos:

  • São Paulo > San Andres
  • San Andres > Cartagena de Índias
  • Bogotá > São Paulo

Recomendamos a passagem multi-trecho, pois assim você pode conhecer a ilha de San Andrés, um dos lugares mais bonitos que visitamos no continente sul-americano.

Leia também:

Roteiro de mochilão pela Colômbia

Com essas passagens, nosso roteiro inicialmente foi:

DCIM101GOPROGOPR1794.

Como se locomover pela Colômbia

Para nos locomover no país, As informações de ônibus na Colômbia são muito escassas na internet. Tanto para estrangeiros, quanto para os próprios locais (um exemplo disso, é que é raro comprar passagens de ônibus via internet por lá).

Então deixamos para verificar horários e preços na hora. Fomos sem saber nada mesmo.

Também iniciamos nossa viagem reservando hospedagem apenas em San Andres e Cartagena de Índias.

Como não sabíamos quando chegaríamos nas próximas cidades, deixamos para reservar todo o resto antes da partida.

que devemos ir junto a um GPS, facilita MUITO!

Centro de Cartagena de índias
Centro de Cartagena de índias

Itinerário no MyMaps

Em nossas viagens, costumamos fazer o máximo de coisas a pé. E ter um mapa com todas as demarcações de lugares Pegamos todos os pontos turísticos que gostaríamos de visitar, e inserimos em mapas separados por cidades.

Sincronizamos os mapas em modo offline, e para continuar utilizando-o com GPS (mesmo sem internet), abríamos o mapa no wi-fi do hostel, e seguíamos nosso passeio com ele aberto pela cidade (não podia fechar, se não, não funcionava mais).

E detalhe, isso só funcionou no celular do Doug, um Android. No celular da Mari, um iOS, não funcionou.

Abaixo, você pode ver o mapa que fizemos do nosso roteiro da Colômbia. Indicando cada cidade pela qual passaríamos.

Nos outros posts, você poderá ver o mapa de cada cidade. Com os pontos turísticos que selecionamos para cada uma delas.

Gastos na Colômbia

Como em nossa última viagem para o Chile e para a Bolívia. Preenchemos uma planilha para prever os gastos que teríamos na viagem.

Incluímos todos os valores de transporte que já havíamos conseguido. Os valores mais recentes de passeios que já havíamos decidido fazer. Os valores das hospedagens já reservadas. Uma média de R$50 por pessoa para hospedagem. E uma média de R$ 60 de alimentação por dia por pessoa.

Spratt Bight
Spratt Bight em San Andres

Ainda faltavam muitos valores (como os valores dos ônibus que pegaríamos dentro da Colômbia). Mas já sabíamos que precisávamos levar no mínimo R$ 3.500 cada.

No fim das contas conseguimos economizar. Acabamos gastando R$ 3.392,50 cada (com muitos souvenires!). O bom é que não passamos nenhum imprevisto.

Para dar uma olhada em nossa planilha de gastos, clique aqui.

Getsemani
Getsemani

História da Colômbia

Colômbia datam de 10 mil anos a.C. São de povos ameríndios com níveis de desenvolvimento diferentes. Sendo os músicas (ou chibchas), os mais desenvolvidos deles.

Estima-se que a população indígena somava 850 mil pessoas na época em que o território foi colonizado. E hoje, é apenas 2% da população colombiana.

Não existem registros escritos sobre os povos indígenas que viviam na Colômbia antes da colonização. Por isso há pouco material sobre eles.

Mas o maior legado que estes povos deixaram ao país, foram suas peças moldadas em metais. Principalmente em Ouro. Hoje estão expostas em diversos museus espalhados pela Colômbia, onde o principal deles é o Museu do Ouro, em Bogotá.

Museu do Ouro
Museu do Ouro em Bogotá

Chegada dos europeus

A primeira expedição européia a passar pelo território colombiano, foi do espanhol Alonso de Ojeda, que em 1499 dobrou o cabo de La Vela, parte do litoral do departamento de Guajira. Só em 1502 Cristóvão Colombo chegou à costa do Caribe, dando início ao processo de colonização.

Em 1525, os espanhóis fundaram Santa Marta, a primeira cidade do país. Em 1533 fundaram Cartagena de Índias, que se tornaria uma das principais bases marítimas do império espanhol nas Américas. E em 1538 fundaram Bogotá.

Neste processo de colonização, as culturas indígenas foram se transformando e sendo dizimadas com processos violentos partindo dos espanhóis. Como a imposição do catolicismo, e a proibição do uso das línguas nativas. Obrigando os índios a se comunicarem em espanhol.

Os espanhóis também levaram para a costa do Caribe muitos africanos. Que viraram escravos na extração do ouro e nas plantações de cana-de-açúcar.

À época, a Colômbia se chamava de vice reino de Nova Granada.

Cabo San Juan
Cabo San Juan no Parque Tayrona, em Santa Marta

Colômbia após Simón Bolívar

Era dependente da administração de Lima, no Peru, e agregava os territórios do Panamá, Equador e Venezuela. Todo esse território, só foi se tornar independente da colônia espanhola em 1811, com a proclamação de Simón Bolivar.

Mas à partir da morte de Simón Bolivar, em 1830, Equador e Venezuela se tornaram independentes do vice reino de Nova Granada. Alguns anos depois, o Panamá também.

Em 1849, formaram-se dois partidos políticos colombianos: o Liberal e o Conservador. Muito rivais, deram início a uma guerra civil em 1899 chamada de a Guerra dos Mil Dias. Nessa mataram mais de 180 mil colombianos por todo o país.

Santa Marta
Santa Marta, a primeira cidade da Colômbia

Troca de poderes na política contemporânea da Colômbia

Mas com o assassinato de líderes do partido liberal, e a criação de um pacto de alternância de poder que não agradou ao partido liberal, alguns líderes liberais decidiram instituir as Forças Armadas da Colômbia (Farc), em 1964.

Após as Farc, outras organizações de guerrilheiros foram criadas na Colômbia. Como o Exército de Libertação Nacional (ELN) e o Movimento revolucionário 19 de abril (M-19, que atualmente é um partido político no país).

À partir dos anos 70, os cartéis do narcotráfico se estabeleceram na Colômbia implantando um poder paralelo. O país passou a produzir cocaína em grande escala em parceria com as Farc.

Se inicia então a luta contra o narcotráfico na Colômbia. Exatamente em 1984.

Na década de 90 os Estados Unidos, os principais consumidores da cocaína produzida na Colômbia, se envolvem na guerra contra o narcotráfico. E na caça aos líderes de cartéis, prendem o líder do cartel de Medellín. O mais famoso da Colômbia, Pablo Escobar.

Plaza Bolívar
Plaza Bolívar em Bogotá

FARCs da Colômbia

Nessa época de conflitos na Colômbia, o país era um local perigoso para turismo, até mesmo para os próprios colombianos.

Estradas eram fechadas por guerrilhas. Viagens de ônibus muitas vezes resultavam em sequestros. E conflitos armados eram constantes.

Atualmente, a Colômbia continua sendo o maior produtor de cocaína do mundo. E as Farc dominam cerca de 20% do território colombiano, contando com aproximadamente 17 mil guerrilheiros. Mas se encontra em clima de paz.

A criação de acordos entre governo e guerrilhas, e a militarização e policiamento de quase todo o país (é muito comum ver soldados BEM, mas BEM armados por todas as cidades), fez com que grande parte das guerrilhas se estabelecesse em locais de floresta.

Principalmente a amazônica, onde ainda dizem ser um pouco perigoso para turismo.

Mas em geral, já é possível realizar viagens de ônibus sem correr riscos. E passar pelas mais belas e longas estradas, sem problemas.

A Colômbia se abriu há pouco tempo para o turismo, e ainda está se adaptando à ele. Mas já oferece segurança à quem deseja explorar este lindo país.

Villa de Leyva
Plaza Mayor em Villa de Leyva

Geografia da Colômbia

A Colômbia é o quarto maior país da América do Sul, e o 25° maior país do mundo.

Conta aproximadamente com 46 milhões de habitantes, e se limita ao norte com o Mar do Caribe (parte do Oceano Atlântico). Ao nordeste com a Venezuela. Ao leste com o Brasil. Ao sul com o Peru e o Equador. E ao oeste com o Oceano Pacífico e o Panamá.

É o único país da América do Sul que tem sua costa banhada por dois oceanos.

A região leste do país é caracterizada pela floresta (Amazônia colombiana). No oeste há a predominância de uma zona montanhosa, onde se encontram os Andes, dividida em cordilheira ocidental e oriental. E ao norte apresenta a Serra Nevada, onde está o ponto mais alto da Colômbia, o pico Cristóbal Colón, com 5.775 m de altura.

E sobre o clima, nas partes litorâneas do país, o clima é quente e úmido (quente demais!!). Mas na região central e montanhosa da Colômbia, podemos sentir um friozinho resultante das elevadas altitudes do lugar.

Se por exemplo você for para o Caribe colombiano, enfrentará um sol muito quente, e um calor que chega a ser desagradável. Mas se você for para Bogotá, provavelmente andará de casaco o dia inteiro!

Centro de Investigaciones Paleontologicas Villa de Leyva
Centro de Investigações Paleontológicas em Villa de Leyva

Economia da Colômbia

Até a década de 80, a Colômbia exportava 16% das vendas mundiais de café, e 40% do carvão da América do Sul encontrava-se em reservas em solo colombiano. Sua produção de petróleo supria a demanda nacional.

Mas, na década de 90, com o início do combate ao narcotráfico e às guerrilhas, que gerava custos altos para o governo e com a desvalorização do café em âmbito mundial, a economia da Colômbia entrou em plena recessão.

E foi só com uma política de linha-dura do governo colombiano, contra o narcotráfico na Colômbia, que o país obteve ajuda financeira dos Estados Unidos e começou a ganhar confiança no mercado externo.

Canion Chicamocha
Cânion Chicamocha em San Gil

Atualmente é o 4° maior PIB da América Latina. E possui grandes possibilidades de desenvolvimento com a produção de biodiesel.

Sua economia é baseada na exportação de petróleo, minérios (ouro e esmeraldas), e produção agrícola.

Mas apesar de tudo isso, a Colômbia se encontra em 3° lugar no índice de maior desigualdade social da América Latina, perdendo somente para Guatemala e Honduras. O que é muito perceptível, durante uma viagem no país.

Migração na Colômbia

Para entrar na Colômbia não é necessário visto (se o turista ficar em até 180 dias no país), vacina específica, e nem mesmo passaporte.

O turista pode entrar com o próprio RG, pois o país faz parte do Mercosul (como Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Bolívia, Chile, Peru e Venezuela).

O valor máximo permitido em moeda para entrar e sair da Colômbia, é de 10.000 USD. E passar na migração é bastante tranquilo.

Cultura Colombiana

A cultura colombiana resulta da forte mestiçagem que ocorreu no processo de colonização (assim como no Brasil). Quando houve uma grande mistura entre etnias européias, indígenas e africanas.

Cerca de 70% da população vive em zonas urbanas. Inclusive grande parte das comunidades indígenas.

No campo da arte, a Colômbia é conhecida pelas pinturas e esculturas de Fernando Botero. Com seus personagens arredondados e volumosos.

Pelo prêmio Nobel de Literatura de Gabriel García Marquez. Que tem como obra mais famosa o livro “Cem anos de solidão“.

E pela música e balanço de Shakira. Embora não tenhamos visto nenhum colombiano ouvindo a música da moça.

Em nossa viagem, descobrimos que o cantor do momento é Carlos Vives. A galera de lá adora esse cara.

Abaixo um clipe do famoso Carlos Vives, que mostra paisagens lindas da Colômbia:

Gastronomia colombiana

As refeições na Colômbia consistem em uma sopa, seguida de um prato principal, e sobremesa.

E entre as bebidas alcoólicas, são populares a aguardente, que não tem nada a ver com a nossa. Tem a consistência de uma água de coco e gosto de aniz. O rum. E o café na forma de “tinto”. Que nada mais é do que uma xícara pouco cheia de café muito forte.

Outra coisa que na Colômbia é forte, são os pratos típicos. São muitos, e todos muito deliciosos! E não são muito diferentes do Brasil, veja alguns dos principais:

Bandeja Paisa: se chama Bandeja, por que é exatamente em uma bandeja, rs. Entre os ingredientes podemos encontrar o arroz, o feijão, abacate, linguiça, chouriço, tomate e ovos.

Arepa: um prato que costuma ser servido com algum acompanhamento. Feita de farinha de milho, a arepa tem formato circular, é achatada e muitas vezes vem acompanhada de recheio. Nós mesmos comprávamos várias massas prontas de arepa no supermercado e recheávamos com milho, queijo, cebola, e o que tinha por lá, rs.

Empanadas: você pode até gostar das empanadas chilenas. Das empanadas argentinas. Mas vai amar as empanadas colombianas! Pensa em uma empanada recheada com arroz, carne, ovo, e depois frita! Essa é uma das empanadas mais populares da Colômbia. Não parávamos de comê-la, haha.

Ajiaco: uma espécie de canja feita com galinhas e batatas.

Câmbio na Colômbia

Quando olhamos no site do Banco Central, a expectativa é de que R$ 1 = 850 pesos colombianos. Mas esta cotação não se aplica a lugar nenhum. O máximo que conseguimos foi R$ 1 = 750 COP.

Para não sair do Brasil sem nenhum dinheiro trocado, resolvemos trocar R$ 332,00 no aeroporto de Guarulhos. Que deram 199.864 COP, com a cotação R$ 1 = 602 COP. Péssima cotação!

Como saímos só com reais (sem dólares), enfrentamos um problema em San Andres. O banco deles só troca dólares! Então tivemos que trocar com um cara na rua, onde acabamos trocando por R$ 1 = 600 COP. Mais péssima ainda a cotação!

Barichara
Barichara

Mas em Cartagena e Bogotá conseguimos trocar na cotação de R$ 1 = 750 COP. E essa foi a maior cotação que conseguimos durante toda a viagem. Mas, lá vai uma dica.

A pousada que ficamos em San Andres, aceitava pagamento em cartão de crédito. E por acharmos que a cotação em San Andres estava muito baixa, resolvemos pagar no cartão. A surpresa foi que mesmo tendo que pagar IOF, a conversão da moeda estava muito mais vantajosa (R$1 = 788 COP). Então, fica a dica!

Outra dica valiosa: a moça do Banco Safra, no aeroporto de Guarulhos, disse que a circulação de moedas falsas na Colômbia é muito grande. Então, sempre que for receber troco, ou trocar dinheiro, observe se a nota é verdadeira.

E como observar? A nota tem uma marca d’água (como o real), e as imagens tem um relevo simples, que você consegue sentir com os dedos. Se não encontrar nenhuma dessas evidências, não aceite a nota.

 

Cascadas de Juan Curi
Cascadas de Juan Curi em San Gil

Informações Importantes da Colômbia

DDI da Colômbia: 57

Ligação para o Brasil da Colômbia: A cobrar, disque 0.1800.555.1221 ou 0.1800.955.0010.

Eletricidade na Colômbia: A voltagem é de 110V. E a maioria das tomadas tem 2 pinos retangulares e achatados.

Fuso Horário na Colômbia: A Colômbia está duas horas atrás do fuso central do Brasil (exceto quando estamos em horário de verão).

Embaixada Brasileira na Colômbia: A embaixada brasileira fica em Bogotá, na Calle 93, n°14-20, Piso 8. E o telefone é 218.0800 e 218.218.8393. Há também um consulado em Letícia, na fronteira com a cidade de Tabatinga, onde o endereço é Carrera 9a, n°13-84, e o telefone 592-7530.

Feriados e datas comemorativas na Colômbia: Abaixo algumas datas. E um detalhe, quando os feriados caem no meio da semana, eles podem ser transferidos para a segunda-feira seguinte:

  • 01 de Janeiro: Ano Novo
  • 10 de Janeiro: Dia de Reis
  • 21 de Março: São José– Março ou Abril: Semana Santa
  • 01 de Maio: Dia do trabalho
  • 29 de Junho: São Pedro e São Paulo
  • 20 de Julho: Dia da Independência
  • 07 de Agosto: Batalha de Boyacá
  • 15 de Agosto: Asunción de la Virgem
  • 12 de Outubro: Dia das Américas
  • 02 de Novembro: Dia de Todos os Santos
  • 11 de Novembro: Independência de Cartagena
  •  08 de Dezembro: Imaculada Conceição
  • 25 de Dezembro: Natal 

Bogotá
Bairro Candelaria em Bogotá

 

Paulistano de 28 anos, que ainda mora em São Paulo, e idealizador da empresa Prana Criativa. Alguém que só percebeu o tamanho do mundo quando colocou pela primeira vez a mochila nas costas, e a partir de então passou a enxergar o mundo em uma outra perspectiva. Uma perspectiva menos “de eu” e mais “de todos”. Uma pessoa que vive em uma utopia de crer que o mundo pode ser um lugar diferente.

Quer deixar um comentário?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *